Já podemos nos preocupar? Transportadoras dos Estados Unidos sofrem com a falta de motorista.

O American Transportation Research Institute, instituto de pesquisa sem fins lucrativos do setor de caminhões nos Estados Unidos, divulgou ontem seu relatório anual Top Industry Issues, que inclui a lista dos principais problemas considerados críticos que o setor de transportes da América do Norte enfrenta. Pelo terceiro ano consecutivo, a falta de motoristas é a questão mais preocupante para as transportadoras, à medida que lutam para recrutar e reter motoristas qualificados.

Esse é o terceiro ano seguido em que a falta de motoristas encabeça a lista, já que muitas empresas de transporte não conseguem completar seu quadro de funcionários. No final do ano passado, estudos estimavam que faltavam pelo menos 60.800 caminhoneiros no país. As previsões ainda estimam que faltarão até 160 mil caminhoneiros até 2028, caso a economia norte-americana continue crescendo no mesmo ritmo.

O outros quatro pontos considerados críticos pelo setor de transportes no país são o controle de tempo de serviço dos motoristas; o salários de motoristas, que estão em alta, impactando o lucro das transportadoras, e ainda assim sendo considerados baixos pelos caminhoneiros; a retenção dos caminhoneiros nos clientes e embarcadores, aguardando carga e descarga; e os locais de parada para os caminhões nas estradas.

A pesquisa foi feita com mais de 2 mil transportadoras e caminhoneiros de todos os Estados Unidos.

“Embora 2018 tenha sido um ano incrível para o transporte, vimos alguns desafios em 2019 e certamente encontrar e reter motoristas qualificados permanece no topo da lista para nossa indústria”, disse Barry Pottle, presidente da ATA e presidente e CEO da Pottle’s Transportation. “A análise da ATRI revela a interconectividade desses problemas principais e fornece um roteiro para como transportadoras e motoristas profissionais acreditam que devemos avançar como uma indústria”.

Quando acontecerá no Brasil? Falta de motoristas para 20% da frota de caminhões na Espanha.

O número crescente de vagas de emprego em aberto para motoristas profissionais em países de primeiro mundo está se tornando alarmante. Um estudo recente, promovido pela World Road Transport Organisation (IRU ou União Internacional dos Transportes Rodoviários), mostra que pelo menos 20% da frota de veículos comerciais da Espanha não tem motoristas para dirigi-los.

Os dados apresentados agora refletem uma tendência apresentada em outro estudo da IRU, de março deste ano, em vários outros países, como Reino Unido, Alemanha, Bélgica, Noruega e Romênia. A grande maioria dos países europeus não consegue motoristas para seus caminhões.

Na Espanha, a tendência ainda é de mais crescimento no número de vagas em aberto. Até o ano que vem, a demanda por novos motoristas deve crescer 18%. Esse aumento significativo no número de vagas em aberto pode fazer até 30% da frota de caminhões da Espanha ficar parada.

A IRU destaca que a escassez poderia ser combatida com mais diversificação no setor de transportes espanhol. As mulheres são menos de 3% da força de trabalho na direção de caminhões, e os jovens, com menos de 25 anos, apenas 5%.

A média de idade dos caminhoneiros na Espanha é de 46 anos, e esse número cresce a cada ano, já que os motoristas ficam mais velhos e os jovens não se interessam pela profissão.

Entre outros motivos, estão as leis do país. A carteira de motorista profissional, que permite a condução de ônibus, só pode ser obtida com 24 anos. Em outros países, como a Bélgica, jovens com 18 anos já podem obter o documento.

“A situação na Espanha faz parte de uma tendência mais ampla que estamos vendo em toda a Europa. Simplesmente, não há motoristas suficientes para atender à demanda e o problema está acelerando rapidamente à medida que os profissionais experientes deixam o setor e não estão sendo substituídos em número suficientemente grande. Essa é uma das questões mais urgentes que o setor de transporte rodoviário enfrenta, que é a força vital da mobilidade e da economia espanhola. Se não revertermos essa maré em breve, haverá efeitos diretos em nossa capacidade de transportar mercadorias e pessoas pelo país, o que impactará muitos milhões de pessoas, empresas e comunidades’, disse Esther Visser, gerente de assuntos sociais da IRU.

Caminhoneiro ganha ação de 600 mil por jornada abusiva

A 1ª Vara do Trabalho de Anápolis-GO teve um dos acordos trabalhistas de valor mais elevado durante a 9ª Semana Nacional da Execução Trabalhista, quando foram feitas no estado mais de mil audiências de conciliação. Pelo menos 360 tiveram acordos firmados entre as partes.

O valor mais expressivo foi o de um processo de um caminhoneiro contra uma transportadora de Anápolis-GO, que atingiu a cifra de R$ 600 mil.

O caminhoneiro era exposto à jornada abusiva, sem receber horas extras, e também não tinha direito ao intervalo entre as jornadas de trabalho. Além disso, não recebia pelo tempo de espera, diferença de prêmios, folgas e feriados não usufruídos e nem adicional noturno.

A conciliação entre o motorista e a empresa de logística foi mediada pela servidora Fernanda Rosa Cunha, e o acordo foi homologado pelo juiz titular da 1ª Vara do Trabalho de Anápolis, Luiz Eduardo Paraguassu, na última quarta-feira, 18/9.

Viabilidade do gás natural é comprovado pela Scania em teste com a Citrosuco

Durante o lançamento da nova geração de caminhões Scania no Brasil, a montadora anunciou o inicio de uma parceria com as empresas Citrosuco e Morada do Sol para testes com um caminhão movido a gás, que pode ser abastecido com Gás Natural Veicular (GNV) e também com Biometano, produzido a partir de resíduos, como lixo comum e da agricultura e pecuária.

Os testes começaram em dezembro de 2018, com um caminhão Scania R 410 importado da Suécia, com motor a gás ciclo Otto, com velas de ignição. Desde o início, o veículo foi abastecido apenas com GNV, e realiza viagens entre Matão, no interior de São Paulo, até o Porto de Santos.

Desde dezembro o veículo já rodou mais de 110 mil km. O teste é realizado junto com outro caminhões, movidos a diesel, com a mesma faixa de potência, para comparação. A empresa operadora do veículo, a Morada Logística, obteve uma redução de 15% no custo do quilômetro rodado, sem perder rendimento e realizando o mesmo número de viagens que os veículos a diesel.

“Nossa solução é comprovadamente mais sustentável do que o diesel. O custo é viável economicamente considerando a realidade atual de preços do combustível e dos altos impostos”, afirma Silvio Munhoz, diretor comercial da Scania no Brasil. “Mas, é importante ressaltar que será fundamental o governo federal colocar em prática os sinais que deu sobre seus planos para o gás natural no Brasil. Por exemplo, as privatizações que provocarão um choque de eficiência no setor via aumento da competitividade e por consequência redução dos custos e possivelmente do preço de venda ao consumidor final. Todo o começo de um novo sistema exige movimentos de todos os lados. Estamos recebendo muitas intenções de compra. Ou seja, comprovando que há demanda consistente. Agora, precisamos de mais oferta.”

O motor do veículo, com 6 cilindros, 13 litros e 410 cavalos de potência, é original de fábrica, não sendo adaptado para o gás. “Não é conversão. Ele tem garantia de fábrica e tecnologia confiável. Na demonstração com a Citrosuco, o R 410 vem tendo um desempenho consistente e força semelhante ao caminhão a diesel. Além de ser 20% mais silencioso”, completa Munhoz.

Além do monitoramento feito pela Citrosuco e Morada do Sol, um time de engenheiros da Scania acompanha os testes de perto, participando das revisões do veículo, que também é monitorado pelos Serviços Conectados Scania.

Esse sistema de monitoramento analisa e envia para a Scania todas as informações das viagens, com dados detalhados quanto à operação e ao motorista. A Morada Logística tem à disposição uma série de dados para analisar o consumo de combustível, tipo de condução, desgaste de componentes e pneus e muitos outros.

Apesar das modificações técnicas em relação a um veículo a diesel, o caminhão apresenta a mesma tara e tem a mesma capacidade de carga e torque semelhante ao R 410 convencional, a diesel.

Primeiro podcast de CEO’s da indústria de veículos comerciais é lançado pela Daimler

A Daimler Trucks & Buses está lançando o “Transportation Matters”, o primeiro podcast de CEOs da indústria de veículos comerciais. Martin Daum, chefe mundial da Daimler Trucks & Buses, receberá, mensalmente, convidados internacionais dos mais variados setores da sociedade. Os temas englobam os desafios atuais dos negócios de caminhões e ônibus, o que envolve um leque de assuntos muito grande, desde mudanças climáticas, digitalização, condução por propulsão elétrica e autônoma, o futuro do mundo do trabalho, tópicos sobre liderança internacional e muito mais. Com convidados das áreas de negócios, política e esportes, o CEO da Daimler discutirá esses temas para aprender, entender diferentes pontos de vista, criar conexões, encontrar sinergias e, assim, trabalhar em conjunto para impulsionar transformações positivas em nossa sociedade.

O podcast se chama “Transportation Matters”, pois o transporte é um tema de interesse a todos – mesmo que muitos não estejam ligados diretamente a esse setor. No primeiro episódio, Daum explica o propósito para o “Transportation Matters”: “Nosso negócio de veículos comerciais é muito diverso e os temas também vão acompanhar esse amplo leque de abordagem. Alguns episódios serão mais curtos. Outros, mais longos com temas discutidos em profundidade. Para esse mergulho mais profundo, um podcast é, a nosso ver, o formato ideal. O programa poderá oferecer muita informação, históricos e diferentes pontos de vista.”

“Com sua experiência de três décadas, Martin Daum é uma voz influente no setor de transportes – e sua perspectiva vai muito além das fronteiras de sua própria linha de negócios. O formato de áudio de grande sucesso dos podcasts se enquadra com perfeição para essa finalidade. Trata-se de um discurso aberto e crítico sobre importantes questões relativas à economia, transporte e sociedade. Portanto, Martin Daum terá um convidado especial diferente para cada episódio e está assumindo um papel fora do comum para um membro do conselho, como moderador e entrevistador. Em nosso podcast estamos apresentando nossa empresa e CEO em um formato atual e inovador “, conta Florian Martens, chefe de Comunicações Globais da  Daimler Trucks & Buses.

A primeira temporada do “Transportation Matters” começa em 4 de setembro e terá cinco episódios que serão transmitidos em Inglês e Alemão na primeira quarta feira de cada mês. Há um episódio teaser já disponível nas plataformas de  podcast Apple PodcastsSpotify e YouTube, bem como em  www.daimler.com/transportation-matters/en.

No primeiro episódio, Martin Daum receberá como convidado Michael Fleming, CEO da TORC Robotics. Eles conversarão sobre os desafios e oportunidades da condução autônoma para os negócios transporte de carga. A TORC Robotics é uma empresa líder na área de veículos autônomos com muitos anos de experiência.

O tópico que permeia os episódios subsequentes será, entre outros, a importância da sustentabilidade dos transportes, em discussões com, por exemplo, Joschka Fischer (antigo ministro das relações Exteriores da Alemanha e vice-chanceler. Hoje, o Sr. Fischer atua como sócio executivo de Consultoria estratégica da Joschka Fischer and Company, empresa que ele fundou em 2009). Outros convidados do podcast serão Terry Stotts, Instrutor Chefe da equipe da NBA Portland Trail Blazers, e Brad White da BrightHouse sobre o tema Propósito.

Confira os canais para acompanhar o podcast “Transportation Matters”:

Website corporativo da Daimler: www.daimler.com/transportation-matters/en 
Apple Podcasts: d.ai/apple-md

Spotify: d.ai/spotify-md

YouTube: d.ai/youtube-md 

Projeto de lei visa multar empresas que possuam muitas multas de trânsito

O Deputado Federal Felipe Rigoni (PSB/ES) apresentou ontem o projeto de lei 4.603/2019, que prevê a aplicação de multas para empresas de transporte que recebam grande número de multas em seus veículos.

De acordo com o deputado, uma grande contribuição do Código Brasileiro de Trânsito para a segurança nas estradas e rodovias foi a atribuição de pontos na CNH, que desencoraja os motoristas a serem multados por excessos no trânsito.

Porém, essa ferramenta se limita aos motoristas, e uma grande parcela dos veículos rodando pertence à empresas. Os motoristas desses veículos seguem as regras da empresa, e os veículos passam a ser uma extensão móvel dessas pessoas jurídicas.

“Qualquer colaborador, independentemente da função exercida, recebe orientação sobre a conduta esperada e a empresa se responsabiliza por sua atuação. Da mesma forma, o motorista precisa ser orientado sobre como a empresa espera que ele se comporte e as infrações cometidas precisam provocar efeitos na pessoa jurídica. Vale destacar que não são raros os casos em que as empresas excedem limites de carga, disponibilizam veículos em condições irregulares, ou mesmo pressionam seus motoristas por agilidade na condução, o que pode incentivá-los a conduzir perigosamente ou desrespeitar limites de velocidade”, disse o deputado, na justificativa do projeto.

Caso as empresas recebam uma média maior do que 20 pontos por veículo em um período de 12 meses, serão multadas, e o valor da multa será de três vezes o valor de uma multa gravíssima, multiplicado ainda pelo número de veículos aos quais as multas forem aplicadas.

Ou seja, dependendo do tamanho da frota da empresa, o valor a ser pago pelas penalidades pode ficar muito alto. O projeto ainda não tem data para ser analisado.

Metodologia internacional é adotada pelo DNIT visando aumentar a segurança nas rodovias federais

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes – DNIT está incorporando aos seus levantamentos a metodologia internacional que avalia as rodovias em relação ao nível de risco de acidentes e permite a priorização de intervenções a serem realizadas. Denominada Irap (International Road Assessment Programme – Programa Internacional de Avaliação de Rodovias), a metodologia será institucionalizada pelo DNIT, que vai aplica-la na avaliação de toda a malha pavimentada sob sua responsabilidade, totalizando cerca de 55 mil quilômetros.

“Estamos adotando um importante instrumento de gestão, que possibilitará indicar onde é necessário atuar para aumentar a segurança das vias e, ainda, levantar os custos da intervenção”, destaca o diretor de Planejamento e Pesquisa do DNIT, Luiz Guilherme Mello. Segundo informa, é a primeira vez que a metodologia é usada na América Latina em uma extensão dessa magnitude.

Cerca de um milhão de quilômetros de rodovias já foram avaliados com a utilização da metodologia Irap, em mais de 90 países. Este é o programa de segurança viária adotado pelo Banco Mundial.

De acordo com a metodologia Irap, depois do levantamento da imagem das rodovias e de sua codificação, são propostas contramedidas para correção dos pontos sensíveis identificados e realizado um plano de investimentos para implementação das soluções propostas. Nesta primeira etapa, o DNIT está contratando o levantamento de campo. Em seguida, será contratada a codificação do levantamento e o software do programa.

A metodologia Irap será associada ao Levantamento Visual Contínuo (LVC), que já é realizado anualmente pelo DNIT desde a década de 90, juntamente com o levantamento do Índice de Irregularidade da Rodovia (IRI), indicando as patologias do pavimento. A metodologia internacional caracteriza as rodovias por estrelas, que levam em conta o risco individual do tipo de acidente, a probabilidade de início de acidente, a severidade do acidente, quando ocorre, além da influência do fluxo de veículos e a velocidade da via.

Juiz de BH mantém justa causa à caminhoneiro flagrado dirigindo usando celular

O juiz Washington Timóteo Teixeira Neto, em atuação na 37ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte, manteve a justa causa aplicada a um motorista de caminhão multado por manusear celular enquanto conduzia o veículo em rodovia estadual. Para o magistrado, a falta cometida pelo empregado, aliada a histórico profissional desfavorável, foi grave o suficiente para inviabilizar a continuidade da relação de emprego e autorizar a aplicação da pena máxima pelo empregador. Nesse cenário, a sentença rejeitou o pedido de reversão da justa causa feito pelo trabalhador.

A prova documental revelou que o reclamante foi dispensado por justa causa no dia seguinte em que cometeu infração de trânsito por manusear celular na condução do veículo, quando trafegava na Rodovia MG-238, em Sete Lagoas/MG. Demonstrou, ainda, que a dispensa foi precedida de histórico de sanções disciplinares reiteradamente aplicadas ao empregado, que culminaram, inclusive, em termo de ajustamento de conduta firmado por ele.

A testemunha ouvida no processo reforçou a correção das sanções disciplinares aplicadas ao autor. Segundo afirmou, tendo em vista que o uso do celular na direção é proibido por lei, a orientação da reclamada é que o motorista pare o veículo para atender a chamado da empresa, ou retorne depois. Além disso, a testemunha confirmou que a empresa é correta ao apurar a responsabilidade dos empregados por autuações de trânsito, pois tinha meios para saber qual motorista estava dirigindo o veículo no momento.

“Não se pode permitir ou admitir que um motorista profissional, que conduz profissionalmente uma carreta pelas vias locais e rodovias brasileiras, cometa infração de trânsito desta natureza (uso de celular ao volante), após longo histórico funcional desfavorável, mesmo recebendo constantes treinamentos sobre segurança no trânsito”, destacou o juiz, na sentença. E pontuou: “Além de sua própria segurança e integridade física, o reclamante expôs toda a coletividade a “seríssimos riscos, e infelizmente não faltam exemplos de tragédias de grandes proporções envolvendo acidentes com carretas nas rodovias brasileiras.”

O magistrado ponderou que, além do mais, a punição foi aplicada de forma singular e em tempo suficiente para que fossem esclarecidos os fatos, sem que houvesse perdão tácito ou mesmo ofensa à imediatidade da pena. O trabalhador apresentou recurso, que aguarda julgamento no TRT-MG.

UPS realiza entregas com caminhões autônomos nos Estados Unidos

A United Parcel Services (UPS) dos Estados Unidos, anunciou nesta semana que já vem testando com sucesso uma operação com caminhões autônomos entre as cidades de Phoenix e Tucson, no Arizona. De acordo com o comunicado da UPS, os testes já vem sendo realizados desde maio.

A empresa também anunciou a compra de uma parte da empresa TuSimple, que já vinha desenvolvendo caminhões autônomos há vários anos.

Os caminhões autônomos desenvolvidos pela TuSimple usam uma série de nove câmeras e sensores que enxergam o mundo ao redor do veículo. A empresa também usa sistemas de laser e um avançado mapeamento GPS para que os caminhões se mantenham na estrada. A TuSimple conta com apoio da Nvidia e da empresa chinesa Sina para ampliar o desenvolvimento da tecnologia.

Além da tecnologia dos caminhões autônomos, a UPS está trabalhando no aprimoramento de caminhões elétricos junto com algumas montadoras, inclusive a Tesla, e também tem realizado entregas experimentais com drones.

Mais de 60 mortos na explosão de um caminhão tanque

Pelo menos 61 pessoas morreram e 70 ficaram feridas quando um caminhão-tanque explodiu numa movimentada estrada na Tanzânia, disse o porta-voz do governo, Hassan Abbas. O veículo tombou na estrada em Morogoro, a 175 quilômetros a oeste de Dar es Salaam, segundo Kebwe Stephene, comissário regional de Morogoro.

Uma testemunha disse que o caminhão estava indo em alta velocidade e estava tentando desviar de um motociclista na estrada principal perto de uma estação de ônibus Msamvu. O motorista pareceu perder o controle e o caminhão virou.

A estação de ônibus serve como um importante hub para os passageiros que viajam para outras partes da Tanzânia e é um local popular e de grande movimento. Stephene disse que o acidente atraiu uma grande multidão. Quando a população percebeu que a carga do caminhão estava vazando, muitos correram para pegar baldes e contêineres para coletar o combustível.

De acordo com testemunhas, havia mais de 150 pessoas no local quando o caminhão explodiu cerca de 20 minutos após o acidente. Fotografias do incidente mostram grandes chamas e fumaça preta saindo dos destroços e dezenas de motos espalhadas ao redor.

Abbas disse que as autoridades acreditam que muitos dos mortos são pessoas que tentavam coletar o combustível do caminhão. A explosão ocorreu por volta das 8:30 da manhã, hora local (1:30 da manhã, ET). Abbas disse que as operações de resgate terminaram às 3 da tarde horário local. A cena foi isolada e todos os corpos foram removidos da cena para um hospital local para identificação, ele disse.

Os feridos na explosão estão sendo tratados no Hospital de Referência de Morogoro, administrado pelo governo, acrescentou Abbas. A estrada que liga Morogoro a Dar es Salaam, a cidade mais populosa do país e antiga capital, é uma das vias principais da Tanzânia, usada para importações e exportações.